segunda-feira, 23 de outubro de 2017

O Enforcado - Opinião

O enforcado (Peter Decker/Rina Lazarus, #19)

Título: O Enforcado
Autora: Faye Kellerman
Ano de publicação: 2010

Sinopse:

Há quinze anos, Chris Whitman, no seu último ano do secundário, foi parar à prisão por ter assassinado a namorada, Cheryl Diggs. Impulsionado por um sentido equivocado de cavalheirismo, confessou, determinado a proteger outra colega de turma, a bela e vulnerável Terry McLaughlin, de ter que testemunhar no seu julgamento. Quando a verdade veio à tona, Chris foi libertado da prisão e casou-se com Terry, que estava grávida dele, e mudou o seu apelido para Donatti.
Peter Decker foi o detetive encarregado do caso e, ao longo dos anos, manteve contacto com Terry. Agora, a sua amiga estava em Los Angeles e pede-lhe um favor, mas o favor não tardou a complicar-se quando Terry e Donatti desaparecem, deixando Gabe, o seu filho de catorze anos, sem ninguém a quem recorrer, exceto Decker e a esposa, Rina Lazarus.
Mas Decker tem de combinar a procura de Terry com um assassinato horrível. A enfermeira Adrianna Blanc tinha terminado o seu turno às oito horas da manhã. Seis horas mais tarde, um capataz, que supervisionava a construção de uma casa numa área residencial perto do hospital, descobriu o corpo pendurado numas vigas com cabo elétrico à volta do pescoço. Adrianna, uma profissional dedicada e conscienciosa, também gostava de festas, álcool, sexo fetichista e traía o namorado, Garth Hammerling, por vingança.
As suspeitas aumentaram quando Decker e a sua equipa descobrem que um dos últimos telefonemas de Adrianna foi uma mensagem provocativa para o namorado, que estava de férias e que também tinha desaparecido sem deixar rasto.
Como se coordenar duas investigações não fosse suficiente para ele, as coisas não param de se complicar a nível familiar. Decker, que sempre foi um pai preocupado, queria cuidar de Gabe, o filho de Terry. Mas quem iria proteger a sua família? Porque se havia algo que tinha claro era que, com um sociopata como Donatti à solta, ninguém estava realmente seguro.

Opinião:

Apesar de este ser o 19º livro de uma série e de eu não ter lido os anteriores, a minha leitura não foi influenciada de maneira alguma.

Foi um livro que me agarrou desde o início, é daquelas leituras que não nos apetece interromper. Apesar de a história se ir passando sobre vários pontos de vista e situações, não achei nenhuma parte mais aborrecida ou menos interessante.

A única coisa que não me agradou tanto em todo o livro foi o final. Apesar de tanto o desaparicimento como o homicídio serem resolvidos, a maneira como tudo acabou não me satisfez totalmente.

Mas é sem dúvida um livro que recomendo a quem gosta do género.


sexta-feira, 20 de outubro de 2017

Não Digas Nada à Mamã + Quando o Papá Voltar - Opinião

Não Digas Nada à Mamã Quando o Papá Voltar

Título: Não Digas Nada à Mamã e Quando o Papá Voltar
Autora: Toni Maguire

Sinopse de Não Digas Nada à Mamã:

Toni tinha apenas seis anos quando o seu mundo ruiu. 
Quando o pai teve a sua primeira atitude obscena, a pequena Toni arranjou coragem para contar à mãe o que tinha acontecido, certa de que esta traria a normalidade de volta à sua vida. Mas a mãe fez o impensável: disse-lhe para nunca mais falar nesse assunto. 
Não Digas Nada à Mamã é o relato verídico e tocante da pior das traições; uma história de coragem que inspirou centenas de milhares de leitores em todo o mundo.

Opinião:

Cada vez mais tenho gostado de ler livros de não ficção. Estes dois livros são a autobiografia de Toni Maguire que foi, desde muito nova, abusada pelo pai.

Em Não Digas Nada à Mamã, Toni conta-nos como foi o início da sua vida e depois quando tudo se desmonorou e deixou de ser a menina feliz e protegida que era. Achei o livro bem escrito e organizado e, claro, mexeu bastante comigo. Foi daqueles livros que me deixou incomodada durante toda a sua leitura.

Não sei o que mais me chocou nesta história, se foi o facto de o pai começar os abusos tão cedo (ou começá-los de todo), se foi a atitude da mãe que decidiu ignorar tudo isto, escolhendo o marido em prol da filha, vezes e vezes sem conta. Não compreendi muito bem como Toni conseguiu continuar a amar a mãe depois de tudo o que passou. Algo que também me surpreendeu foi o facto de o resto das pessoas, família, amigos e a sociedade em geral verem-na tão culpada como o pai, e não como vítima.

Foi um livro 5 estrelas que realmente me marcou.

Pouco depois comecei a ler Quando o Papá Voltar e foi uma desilusão. O estilo de escrita é completamente diferente, aqui a história é contada na 3ª pessoa e não na 1ª como no anterior. Achei também que repetia demasiado o que se passou no primeiro livro. É natural haver uma breve conrextualização do que já se passou, mas neste caso os primeiros capítulos são apenas sobre acontecimentos já relatados no primeiro livro e vai continuando assim no decorrer da história. Para quem não leu Não Digas Nada à Mamã é útil, mas para quem leu, e pouco tempo antes, como eu, torna a leitura um pouco aborrecida. Apesar de ter algumas partes interessantes, acho que não esteve ao mesmo nível do primeiro. O pouco que achei interessante e relevante acho que teria ficado melhor no primeiro livro, ficando apenas um único livro. A este volume dei 3 estrelas.

Recomendo vivamente a leitura do primeiro livro, principalmente a quem gosta deste género de livros. Se quiserem ler o segundo, recomendo que pelo menos deixem passar algum tempo.

terça-feira, 17 de outubro de 2017

Frankenstein - Opinião

Frankenstein

Título: Frankenstein
Autora: Mary Shelley
Ano de publicação: 1818

Sinopse:

Frankenstein conta a história de Victor Frankenstein, um jovem estudante, que a partir de corpos de seres humanos que obtinha em cemitérios e hospitais consegue dar vida a um monstro que se revolta contra a sua triste condição e persegue o seu criador até à morte.
Frankenstein foi adaptado inúmeras vezes ao cinema, mas a mais memorável imagem do monstro foi encarnada pelo actor Boris Karloff, em 1931, fazendo ainda hoje parte da cultura popular.
 

Opinião:

Já há uns 3 ou 4 anos que queria ler Frankenstein por altura do Halloween. Foi finalmente este ano que o fiz.

Este livro não foi absolutamente nada do que estava à espera. E não falo de Frankenstein ser o criador e não o monstro, isso já sabia. Esperava muito mais terror, mais ação. Mas a verdade é que se passam muitas páginas até o monstro ser referido pela primeira vez e mesmo depois não é tão explorado como gostaria.

A minha parte preferida foi quando o monstro falou sobre as suas experiências, sobre a sua relação com a sociedade. Não consegui simpatizar com Frankenstein, gostava de ter visto mais compaixão.

Apesar de tudo tem algumas partes interessantes e faz-nos refletir sobre alguns assuntos. É um bom livro para a época, mas estava à espera de algo diferente.


domingo, 15 de outubro de 2017

Sugar Maple - Opinião

Série: Sugar Maple
Autora: Barbara Bretton




Sinopse - Feitiços de Amor:

Parece uma vila bucólica igual a tantas outras, mas esconde um segredo antigo de todos os visitantes…
Sugar Maple é uma terra encantada habitada por feiticeiras, fadas, vampiros e outras criaturas mágicas. Chloe Hobbs é a única que não tem poderes especiais naquele lugar onde nada é o que parece.
Chloe é a proprietária da Sticks & Strings, uma popular loja de artigos de tricô. Mas é também a última descendente de uma longa dinastia de feiticeiras com o futuro de Sugar Maple nas mãos. Chloe sabe que tem de se apaixonar para receber os poderes mágicos e continuar a proteger a sua terra natal. Mas, aos 30 anos, ainda sonha com o verdadeiro amor e as amigas decidem lançar feitiços para a ajudar a encontrar o homem dos seus sonhos. O que ninguém esperava era que Chloe se apaixonasse perdidamente por Luke MacKenzie, o polícia destacado para investigar o primeiro crime ocorrido em Sugar Maple e cem por cento humano. Se o amor abre finalmente a porta aos seus poderes mágicos, esses mesmos poderes impedem Chloe de sonhar com um futuro ao lado de Luke… Feitiços de Amor é um romance encantador e inesquecível sobre o poder do amor e a magia dos sonhos.
 

Opinião: 

Há uns três ou quatro anos adquiri os dois primeiros livros desta série, por serem de fantasia e gostar muito das capas. Entretanto li-os e gostei, mas não adorei. Não quis gastar mais dinheiro com a série, nem senti necessidade de ter os livros na minha estante. Mais tarde encontrei o terceiro livro em ebook e também gostei. Fiquei com curiosidade para saber como a história  acabava, mas tive dificuldades em encontrar o último livro. Foi na última ida à biblioteca que reparei nele, não pensei duas vezes e trouxe-o, para finalmente terminar a série.

É uma série engraçada, com romance, amizade e um pouco de ação. Há uma boa evolução das personagens.

No geral, acho que é uma história que se lê bem, boa para passar o tempo. São daqueles livros que nos sabem bem quando queremos ler algo leve, mas com o acréscimo da fantasia. Dei 3 estrelas aos quatro volumes.





quinta-feira, 12 de outubro de 2017

No Teu Olhar - Opinião

No Teu Olhar

Título: No Teu Olhar
Autor: Nicholas Sparks
Ano de publicação: 2015

Sinopse:

Colin Hancock é jovem mas já viveu mais violência e abandono do que a maioria das pessoas. Foi perante o abismo que tomou a corajosa decisão de começar de novo. Agora, o emprego num restaurante da moda pode não o satisfazer, mas o sonho de se tornar professor parece cada vez mais perto de se concretizar. Dar às crianças o carinho e a atenção que ele próprio não teve é o seu grande e único objetivo… mesmo que o preço a pagar seja a solidão.

Maria Sanchez também deseja, acima de tudo, uma vida calma. Filha de imigrantes mexicanos, aprendeu desde cedo o valor do trabalho árduo, da ética e da lealdade. Para ela, bastam-lhe o emprego num prestigiado escritório de advogados e uma noite tranquila em casa para repôr as energias. Nem a insistência da sua irmã surte efeito. Com uma profissão tão arriscada, Maria aprecia a segurança que o isolamento lhe dá.

Colin e Maria não foram feitos um para o outro. Ele representa tudo aquilo que ela despreza, é o típico meliante que ela está habituada a ver atrás das grades. E quando se cruzam numa noite de tempestade, o fosso que os separa é profundo e evidente. Mas, a partir desse momento fortuito, as suas vidas não voltarão a ser as mesmas.

Conseguirão eles ver para além das aparências? Ler nos olhos do outro o que de mais profundo lhe vai na alma? Ceder à persistente memória daquela noite?
 

Opinião:

Já vi alguns filmes adaptados de livros de Nicholas Sparks, mas nunca tinha lido nenhum dos seus livros. Admito que tinha um pouco de "preconceito" e nos filmes reparei que  no final quase sempre alguma coisa de mal acontecia. Mas ofereceram-me este livro pouco depois de ser lançado e achei que estava na altura de eu própria ler o livro e tirar as minhas conclusões.

Estava à espera que fosse basicamente uma história de amor. Estava errada. Há sim uma relação amorosa, que é muito importante, mas não considerei isso o ponto principal da história. Tem um mistério, que achei muito bem desenvolvido e explicado.

Não há dúvida que o senhor sabe escrever, agarrou-me desde o início. Gostei muito de ver como a relação de Colin e Maria se foi desenvolvendo, de como se ajudaram um ao outro.

Adorei o livro, foi uma bela surpresa. Acho que este foi o primeiro livro que o autor escreveu desde o seu divórcio, e dizem que o registo está um pouco diferente, o que acredito, uma vez que é muito mais do que um livro fofinho. Vou sem dúvida querer ler um dos seus livros mais antigos.


terça-feira, 10 de outubro de 2017

Amor de Perdição - Opinião

Amor de Perdição

Título: Amor de Perdição
Autor: Camilo Castelo Branco
Ano de publicação: 1862

Sinopse:

Simão Botelho e Teresa de Albuquerque pertencem a famílias distintas, que se odeiam. Moradores de casas vizinhas, em Viseu, acabam por se apaixonar e manter um namoro silencioso através das janelas próximas. Ambas as famílias, desconfiadas, fazem de tudo para combater a união amorosa.

Opinião:

Quem nunca ouviu falar de Amor de Perdição de Camilo Castelo Branco? Pois, eu já há algum tempo que andava curiosa com este clássico português e finalmente dei-lhe uma oportunidade.

A escrita não é a mais simples de todas, tal como seria de prever pelo ano em que foi escrito,  mas vai-se tornando mais fácil à medida que nos vamos habituando.  

Apesar de até ser algo interessante, achei a história demasiado dramática, com muitas atitudes muito exageradas e muito pouco credíveis. Não achei o livro maçador, mas também não gostei de como a história se desenvolveu e do final em si. Mas vou querer ler mais do autor, até porque tenho esta coleção completa.


domingo, 8 de outubro de 2017

A Fada do Lar - Opinião

A Fada do Lar

Título: A Fada do Lar
Autora: Sophie Kinsella
Ano de publicação: 2005

Sinopse:


"Chamo-me Samantha. Tenho vinte e nove anos. Nunca na vida usei o forno para fazer pão. Não sei coser um botão. Sei é reestruturar contratos de financiamento de empresas e salvar os trinta milhões de libras do meu cliente."
Samantha é uma advogada bem-sucedida em Londres. Trabalha o dia todo, não tem vida doméstica, e só se preocupa em encontrar um companheiro. Habitualmente tem êxito sobre pressão e adrenalina. Até que um dia... 
comete um erro. E o erro é tão grave que acaba por destruir a sua carreira. Fica tão desnorteada que ao sair do escritório, apanha o primeiro comboio que vê e, quando se apercebe, não sabe onde está. Ao pedir indicações numa grande e bonita casa, é confundida com alguém que tinha sido entrevistada para o cargo de governanta e, sem mais nem menos, é-lhe oferecido o emprego. Não faziam ideia que estavam a contratar uma advogada licenciada em Cambridge com um QI de 158, muito menos que Samantha não faz sequer ideia como funciona o forno.
E o desastre acontece. O caos instala-se quando Samantha luta com a máquina de lavar... com a tábua de passar a ferro... e tenta cozinhar cordon-bleu para o jantar... 


Opinião:

Li este livro para preencher a categoria de ler um Chik-lit no desafio Book Bingo - Leituras ao Sol. E confesso que no incíco não estava a gostar muito, achei algumas atitudes bastante exageradas, o que tornava tudo muito pouco credível. Mas passando isto, e estando já a história num nível mais normal, comecei a gostar muito mais.

Achei interessante ver a Samanta como workaholic, infelizmente há muitas pessoas viciadas em trabalho, para quem a carreira é tudo, não havendo tempo para mais nada, nem família, amigos, tempos livres ou bem-estar pessoal. Gostei muito de ver a sua reflexão de o que é que lhe interessava mesmo na sua vida.

Também não achei o livro muito engraçado, que é uma caraterística dos livros da autora. Mas tirando as cenas mais exageradas, até acabei por gostar da história em si.